ImgWonders
  1. Homepage
  2. internalmedicine

#internalmedicine hashtag

Posts attached with hashtag: #internalmedicine

Dr Steven Lee (@path2mrcp) Instagram Profile Photo
path2mrcp

Dr Steven Lee

MRCP Part 1 Gastroenterology Oesophageal carcinoma #internalmedicine

Windansea Beach

Black bean burger stacks from the cookbook for dinner! These paddies are the best dang vegan burgers I’ve tried. Yum 💁‍♀️ Tonight stacked mine with @bitchinsauce, @followyourheart mayo, tomatoes, & avo on top of kale (from our garden) salad with pickled onion, @followyourheart parm, olive oil, s+p.

Bethany Jengic (@selfcaremama_md) Instagram Profile Photo
selfcaremama_md

Bethany Jengic

Today marks 10 years that I've been together with Toma. The first pic is from our 1st dating anniversary and the second pic is the most recent of us together. I know it's not our wedding anniversary, but our old anniversary of when we started dating is still important to me. I mean come on it's been 10 years! 🎉🎉 . My favorite story to tell is how we ended up together. It's funny because the year before I actually started talking to Toma, I went to the taste of chicago with some friends and one of them had invited another group of people she knew. Toma was a part of that group and when I saw him, I definitely was interested (😏), but there was a girl with him, I just assumed they were dating. 🤷‍♀️ . Fast forward 1 year later and one of my friends at the time was dating his best friend, so we ended up hanging out a couple of times. I was working as a sales associate at JC Penney at that time and one day a woman came to check out. As she swiped her credit card, I saw her last name and it was "Jengic". I asked her if she was related to Toma and she said "Yes, that's my son" 😯 I told her I was his friend and to tell him hi for me. She tells me all the time that something came into her heart and she went home to tell Toma that she met me and she thought I was sweet and Toma should pursue dating me. Just a couple days later he asked me out on an official date 😊 . Now 10 years later, married for 3 years and we have a 2.5 year old. 10 years of ups, downs, laughter, smiles, joy, tears, the best of times, and the hardest. I love living life with you Toma and I love our story to share with others. 👨‍👩‍👧 . . . . . . #internalmedicine

Dra. Flavia Verocai (@draflaviaverocai) Instagram Profile Photo
draflaviaverocai

Dra. Flavia Verocai

Qualquer pessoa minimante informada já se deparou com algumas fórmulas infalíveis do universo do bem estar - 8 copos de água por dia, café da manhã como refeição mais importante, 2 mil calorias diárias, 8 horas de sono... Muita gente que passa longe dos consultórios médicos se acha protegido por seguir essas recomendações que, ainda que não estejam erradas, não garantem por si só as melhores condições de saúde. Mas como será que essas "verdades" se tornam absolutas no senso comum? Uma delas tem uma explicação bem objetiva: os 10 mil passos diários que seriam o passaporte para uma taxa menor de mortalidade. Esse número correspondia ao nome, em japonês, de um pedômetro que começava a ser comercializado nos anos 60 no país oriental. O ideograma que representa essa palavra, por sua vez, se assemelharia à representação de uma pessoa caminhando (de chapéu e bengala ;). A decisão marqueteira não é totalmente aleatória. Pouco antes do lançamento do pedômetro, o médico japonês Yoshiro Hatano desenvolveu um estudo que detectou que a média de passos girava em torno de 3500 e 5000 por dia, e que o que faltava pra se chegar a 10 mil aumentaria o gasto calórico em 20%, o que queimaria cerca de 500 calorias extras diárias. Os jogos olímpicos realizados em Tóquio no período ajudaram a popularizar o hábito da caminhada e a comercialização do tal pedômetro. Pacientes e imprensa gostam de um dado concreto e os 10 mil passos acabaram entrando na lista dos bons hábitos rumo a uma vida mais saudável. Pesquisas mais recentes indicam que 4500 passos já ajudam a promover a longevidade, principalmente em mulheres. E as diretrizes mais recentes da American Heart Association reforçam o benefício de um exercício ainda que modesto. Mais do que desanimar quem precisa deixar o sedentarismo, essas informações devem, pelo contrário, servir de estímulo para tirar o tênis do armário e retomar o projeto saúde com atividade física e uma alimentação mais saudável. #internalmedicine

Dra. Flavia Verocai (@draflaviaverocai) Instagram Profile Photo
draflaviaverocai

Dra. Flavia Verocai

Qualquer pessoa minimante informada já se deparou com algumas fórmulas infalíveis do universo do bem estar - 8 copos de água por dia, café da manhã como refeição mais importante, 2 mil calorias diárias, 8 horas de sono... Muita gente que passa longe dos consultórios médicos se acha protegido por seguir essas recomendações que, ainda que não estejam erradas, não garantem por si só as melhores condições de saúde. Mas como será que essas "verdades" se tornam absolutas no senso comum? Uma delas tem uma explicação bem objetiva: os 10 mil passos diários que seriam o passaporte para uma taxa menor de mortalidade. Esse número correspondia ao nome, em japonês, de um pedômetro que começava a ser comercializado nos anos 60 no país oriental. O ideograma que representa essa palavra, por sua vez, se assemelharia à representação de uma pessoa caminhando (de chapéu e bengala ;). A decisão marqueteira não é totalmente aleatória. Pouco antes do lançamento do pedômetro, o médico japonês Yoshiro Hatano desenvolveu um estudo que detectou que a média de passos girava em torno de 3500 e 5000 por dia, e que o que faltava pra se chegar a 10 mil aumentaria o gasto calórico em 20%, o que queimaria cerca de 500 calorias extras diárias. Os jogos olímpicos realizados em Tóquio no período ajudaram a popularizar o hábito da caminhada e a comercialização do tal pedômetro. Pacientes e imprensa gostam de um dado concreto e os 10 mil passos acabaram entrando na lista dos bons hábitos rumo a uma vida mais saudável. Pesquisas mais recentes indicam que 4500 passos já ajudam a promover a longevidade, principalmente em mulheres. E as diretrizes mais recentes da American Heart Association reforçam o benefício de um exercício ainda que modesto. Mais do que desanimar quem precisa deixar o sedentarismo, essas informações devem, pelo contrário, servir de estímulo para tirar o tênis do armário e retomar o projeto saúde com atividade física e uma alimentação mais saudável. #internalmedicine

English Turkish