ImgWonders
  1. Homepage
  2. naruapelaeducação

#naruapelaeducação hashtag

Posts attached with hashtag: #naruapelaeducação

pósreformadaprevidência (@posreformadaprevidencia) Instagram Profile Photo
posreformadaprevidencia

pósreformadaprevidência

ESSE MINISTRO( BANQUEIRO) VAI ACABAR COM OS DIREITOS PREVIDÊNCIÁRIOS E DA SEGURIDADE SOCIAL. AINDA VEM A *CAPITALIZAÇÃO* PARA BENEFICIAR OS BANCOS E O MERCADO FINANCEIRO. A MP (DA LIBERDADE ECONÔMICA) VAI FAZER O EMPREGADO TRABALHAR AOS DOMINGOS COM UMA FOLGA A CADA QUATRO DOMINGOS. A REFORMA TRIBUTÁRIA VEM AÍ; VAMOS ESPERAR PARA VER SE VEM UMA NOVA CPMF ou CP. #naruapelaeducação

Universidade tem Pesquisa (@universidadetempesquisa) Instagram Profile Photo
universidadetempesquisa

Universidade tem Pesquisa

Universidade Federal de Campina Grande

“A tecnologia, que o novo presidente acredita ser “inédita”, existe no Brasil há pelo menos 14 anos. É o Programa Água Doce (PAD), concebido em 2003 e lançado em 2004, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em parceria com instituições federais, estaduais, municipais e da sociedade civil. Segundo o MMA, com 482 obras já concluídas, o programa já levou água potável para 170 municípios do Semiárido. Outras 700 obras do PAD já foram contratadas e 48 estão em fase de implementação. A meta para 2018 é atingir 1.200 sistemas de dessalinização. Com investimento previsto de R$ 258 milhões, o PAD estabeleceu convênios com nove estados da região Nordeste, além de Minas Gerais, e deve beneficiar cerca de 500 mil pessoas.” ⠀ Fonte:https://www.redebrasilatual.com.br/ambiente/2018/12/dessalinizacao-que-bolsonaro-quer-trazer-de-israel-existe-no-nordeste-desde-2004/ ⠀ “Professor de engenharia química da UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), Kepler Borges França é coordenador do Laboratório de Referência em Dessalinização --que pesquisa o tema há mais de 25 anos. Segundo ele, ao longo de 30 anos foram instalados de 3.500 a 4.000 dessalinizadores.” “França explica que existem pesquisas brasileiras ao longo de anos que fazem o país dominar várias técnicas modernas de dessalinização. "Temos a dessalinização por processos térmicos, por energia solar, através de destilação, por compressão de vapor, de membrana --que é a mais utilizada mundialmente--, que vêm sendo utilizadas em comunidades. E também temos novos caminhos, como a membrana cerâmica, que nós da UFCG desenvolvemos", diz. "Precisamos melhorar, óbvio. Mas o que precisamos é de mais investimento do governo federal e de órgãos de fomento para incentivar cientistas a desenvolver tecnologias e deixar de comprar membranas dos gringos, porque isso deixa mais caro o sistema" ⠀ Fonte:https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2018/12/30/prometida-por-bolsonaro-dessalinizacao-ja-da-agua-a-milhares-no-nordeste.htm ⠀ #NaRuaPelaEducação

PSOL Petrópolis (@psolpetropolis) Instagram Profile Photo
psolpetropolis

PSOL Petrópolis

Praça D Pedro Petropolis

Ontem (16) ocupamos a Praça D. Pedro com o dep. federal Glauber Braga! 👊🏽☀️ • • • #naruapelaeducação @glauberbraga_oficial

Universidade tem Pesquisa (@universidadetempesquisa) Instagram Profile Photo
universidadetempesquisa

Universidade tem Pesquisa

Editora UFPE

PRODUTIVISMO NA SAÚDE: DESAFIOS DO SUS NA INVENÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA ⠀ ADRIANA FALANGOLA ARTUR STAMFORD ISLÂNDIA CARVALHO PEDRO HENRIQUE MARTINS ⠀ SINOPSE: ⠀ “Resultado de uma pesquisa desenvolvida conjuntamente por quatro grupos de acadêmicos – três da Universidade Federal de Pernambuco e um do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães/Fiocruz Pernambuco –, a coletânea é uma profunda e crítica investigação sobre o produtivismo na saúde e as práticas utilitaristas cada vez mais presentes no campo da medicina e da saúde pública. A partir de abordagens sociais e jurídicas da saúde coletiva, o livro apresenta novas perspectivas humanizantes na área e torna-se uma publicação inédita tanto por discutir, de modo interdisciplinar, os efeitos negativos deste modelo econômico, como por abordar experiências que visam minimizar estes efeitos. Na abordagem e na pesquisa dessa temática, o livro divide-se, desse modo, em quatro capítulos: “Gestão em saúde e produtivismo”; “Humanização, parto e nascimento”; “Sofrimento, subjetividade e medicalização”; e “Práticas antiutilitaristas e integrativas em saúde” ⠀ Fonte:http://www.editoraufpe.com.br/produtivismo-na-saude-desafios-do-sus-na-invencao-da-gestao-democratica/ ⠀ #NaRuaPelaEducação

English Turkish